Eu acho que ela gosta de mim letras

Eu levo jeito no esporte Sou bom de volei e natação Até que danço bem E melhor do que ninguém Eu transo um violão Eu tenho fama lá na escola De ser um bom conquistador Mas a garota que eu quero Nem me da bola E não quer meu amor. Eu gosto dela É um avião Eu gosto dela Ando voando até no chão. Mas ela não gosta de mim Vive me dizendo não Nem tem pena do meu coração E só vive ... E Eu acho que sim B7 Eu acho que sim E A Será que ela ainda gosta de mim B7 Será! E Eu acho que sim B7 Eu acho que sim (solo) E A B7 E A B7 E A B7 E A B7 E B7 E A Dizem qu eu já fui esquecido B7 E B7 Duvido, eu pago pra ver E A Um amor tão grande como o nosso B7 E B7 Ninguém consegue esquecer E A Será que ela ainda gosta de mim B7 Será! Eu acho que sim Eu acho que sim Será que ela ainda gosta de mim Será! Eu acho que sim Eu acho que sim Dizem que eu já fui esquecido Duvido, eu pago pra ver Um amor tão grande como o nosso Ninguém consegue esquecer Será que ela ainda gosta de mim Será! Eu acho que sim Eu acho que sim Será que ela ainda gosta de mim Eu acho tão legal ela usar allstar Mas ela não quer um homem pra casar Eu acho tão bonita a sua tatuagem colorida Eu queria fazer parte da sua vida Lhe dar amor, morder sua barriga Eu fico louco só de ver o seu piercing na língua E de saber que quem vai morder ele é sua melhor amiga. Refrão. Ela não gosta de mim Por que não gosta de garotos Ela não gosta de mim Por que não gosta de ... Eu acho que sim Eu acho que sim Será que ela ainda gosta de mim Será! Eu acho que sim Eu acho que sim Passo a minha vida lhe esperando Sonhando com aquele amor Que um dia me deixou chorando Sozinho levando esta dor Será que ela ainda gosta de mim Será! Eu acho que sim Eu acho que sim Será que ela ainda gosta de mim Será! Eu acho que sim ... Eu acho que sim Eu acho que sim Será que ela ainda gosta de mim Será! Eu acho que sim Eu acho que sim Dizem que eu já fui esquecido Duvido, eu pago pra ver Um amor tão grande como o nosso Ninguém consegue esquecer Será que ela ainda gosta de mim Será! Eu acho que sim Eu acho que sim Será que ela ainda gosta de mim Tudo o que ela tem que dizer é quando. Ela gosta de mim por mim Não porque eu curto com o Leonardo Ou com aquele cara que atuou em 'Fargo' Eu acho que o nome dele é Steve Ela é a única pra mim E eu não posso viver sem ela Meus braços ficam ao redor dela E eu estou tão feliz que a achei de novo. E eu estou tão feliz que a achei de novo ...

"Amiga" fofoqueira.

2020.07.25 03:58 Noiajuuhs "Amiga" fofoqueira.

Olá Lubinha que eu amo, editores e possíveis convidados. É a primeira vez que participo aqui e talvez nem vou aparecer no seu canal, mas talvez algum ser vai ler essa história, então já vale. Bom, essa história se passa quando eu estava no 6° ano ( agora estou no 8°ano ), e bem, como posso dizer, eu era muito estranha e iludida(?). Não que eu não seja agora, mas eu sou o tipo de pessoa que só é lembrada por último, que quase ninguém não conversa e que as pessoa nem prestam atenção em mim. Sou a esquecida, digamos assim. Eu era tbm o tipo de pessoa que se apaixona/gosta de qualquer pessoa bonita na escola, e nesse ano não foi diferente. Tinha um menino, que eu achava muito bonito e ainda acho hj em dia, que estudava no 9° ano ( ele repetiu o 9° ano, ano passado e esse ano ele saiu da escola, não sei se ele passou pro 1° ano). E eu gostava muito desse garoto, ao ponto de ficar literalmente olhando ele no recreio inteiro, procurava ele em todo lugar, só pra ver ele e tals. Eu era tão apaixonada por ele que pensei até me declarar. Até ai tudo bem, paixonites de escola todo mundo tem, mas teve um dia que nao contive a ansiedade e eu estava nervosa por algum motivo, que até hj não sei pq. Tinha um menina que eu vou chamá-la de dora ( todo mundo da sala chamava ela assim, por ela ser pequena e ter os cabelos igual da dora aventureira ), ela era a pessoa mais "famosinha" da sala e talvez da escola, por que ela conhecia praticamente a escola toda, quase. E ela estava sentada na carteira da frente e eu atrás dela, e a dora meio que estava mais digamos, conversando comigo mais que o normal e eu não achava isso estranho, sei lá gostava. Mas é que no dia a "best friend" dela faltou e eu meio que fui a segunda opção. Já que tentava ser amiga delas duas, mas elas nunca me deixavam entrar e eu meio que forçava sei lá, a amizade. Enfim, eu chamei ela, cutoquei a dora e eu não sei o que deu em mim mas falei assim. "- quer saber de quem eu gosto?", Eu devia tá louca e talvez eu estava mesmo por do nada dizeperguntar coisas dessas, como se ela estivesse interessada em quem eu gosto. Mas ela ficou curiosa e perguntou de quem eu gosto e tals, e eu só disse que gostava de um menino do 9 ano e ela perguntou o nome e acabei dizendo. Vou chamá-lo de sabiá ( o povo da minha sala o chamava assim pq ele tinha pernas iguais do pássaro, sim ele era magrinho), ela sabia quem era obviamente, mas eu sei lá pensei que como era um segredo, que eu disse que não era pra contar pra mais ninguém. No mesmo dia, quando já estava todos de saída da escola, pois nesse dia a nossa aula acabava junto com a da aula do 9 ano e só acontecia se eu não me engano, nas quintas-feiras. Tava eu, a dora e mais três pessoas que era digamos os populares da minha sala, e quando eu avisto meu crush, a dora solta a bendita frase ("- A ... Gosta do sabiá”) (e uma curiosidade é que a primeira letra do nome que eu chamo ele nessa história tbm é a mesma letra inicial do nome dele). Enfim, depois disso os populares começaram a perguntar pra mim se era verdade e eu como uma boa atriz disse que não, mas eles não acreditaram e começaram a espalhar a notícia, e o melhor amigo dele ficou sabendo e contou pra ele e o sabiá na época, namorava uma menina do 8 ano e tipo ele e a namorada, junto da sala dele, começaram ficar me olhando sabe. Eu juro que quis muito matar a dora, mas se eu matasse eu ia acabar sendo presa pq eu não sou muito boa em esconder corpos e ficar de bico calado como vcs podem ver e perceber. Enfim, essa foi minha história e depois trago mais de minhas histórias ridículas e micos que passei e bom passo até hj. Tchau luba, te amo!!!
submitted by Noiajuuhs to TurmaFeira [link] [comments]


2020.06.09 11:23 InezinhaDirectioner O Menino... Estranho ;-; (não tenho um bom título)

Oioii Lubisco e todos os seres vivos presentes (sem paciência pra escrever tudo sksk). Essa história é sobre um menino que supostamente "gostava" de mim e muita merda que aconteceu há 2 anos atrás e este ano. Por incrível que pareça TUDO oq vou dizer é 100% real. (bjs de Portugal sou uma grande fã 😗)
Então, há 2 anos atrás uma vez tava com a minha bff do momento num canto do recreio, daí ela precisou de ir ao WC.
De boas, eu fiquei esperando no cantinho e do nada veio um grupo de 2 meninas e 1 menino. Esse menino é dos populares por ser considerado "gato" (não tanto, mas tá). Eles começaram a ser simpáticos e tal, só q eu tava meio desconfortável pq eles tavam a falar cmg como se eu fosse uma bebézinha sem amigos. Do nada esse menino disse: "Olha, eu até namoraria com uma menina bonita como tu". Eu fiquei meio confusa e tal mas apenas ignorei. Entretanto eles foram embora e eu fui procurar a minha bff.
Alguns dias depois tava nas bancadas do colégio que ficam na frente do campo de futebol com umas amigas, e ao nosso lado tinha 3 meninas da turma desse menino (como não quero mostrar o nome dele vou apenas chamar ele de.... Macaco).
Menina 1: Ei, menina Eu: oq foi? Menina 2: Sabes o Macaco? Eu: quem? Menina 1: aquele ali (ela apontou pra ele) ele gosta de ti
Eu depois de ouvir isso fiquei meio tipo "quê" mas fingi q não ouvi nada Do nada esse menino GRITOU SE EU QUERIA NAMORAR COM ELE EM FRENTE DE TODA A GENTE LÁ (a maioria cagou mas mesmo assim)
Eu, como a boa pessoa que sou, gritei N-Ã-O e daí fugi de lá com uma das amigas.
No recreio a seguir a turma dele PENSAVA QUE EU TINHA DITO SIM e tavam todos tipo "oi namorada do Macaco" Eu sempre respondia que não namorava com ele mas elas sempre diziam algo tipo: "gostas sim" "mas ele gosta de ti" "mas ele é tão simpático"
Uma vez tava com a minha turma à espera da professora de Matemática entrar na sala e o Macaco chegou perto de mim e começou a dizer repetidamente: "Inês beija-me, Inês beija-me, Inês beija-me". Eu tentei me afastar mas ele continuava a tentar me convencer a beijar aquela boca nojenta.. Daí uma colega minha reparou na situação e gritou pra eu correr pra dentro da sala pq a stora já tava lá. Eu fui, a correr mais rápido q o Flash, e me sentei no lugar..Eu já tava me sentido salva mas não..
Prof: INÊS NÃO É ASSIM QUE SE ENTRA NUMA SALA!! SAI IMEDIATAMENTE!!!
Eu saí... E ele ainda tava lá ;-; com um sorriso creepy acenando pra mim ;-; eu fiquei batendo na porta até me chamarem e finalmente entrei.
Esse tipo de coisa foi acontecendo de vez em quando (mas não era tão estranho como essa) e chegou um dia que tava à espera de uma amiga minha pq ela tava à procura da lancheira dela e daí esse menino reparou na minha existência e abriu a boca.
Ele: ó Inês, tão todos a dizer que não gostas de mim. Explica-te!!!! Eu não aguentei e comecei a rir muito Eu: mano, eu nunca gostei de ti Ele: ISSO NÃO TEM PIADA!! Eu: tem! ainda rindo Ele: TA BEM! ACABAMOS!! Eu: ALELUIA-
Eu continuei a minha vida e o Macaco já n me chateava. (ele me pediu em namoro denovo e eu rejeitei mais uma vez)
1 ano depois.. Ele ficava constantemente a olhar pra mim (ele não é da minha turma se tiveres confuso, ele é da turma mais velha) mas ele quase nunca dizia nada
Outro ano depois (este ano) ele se tocou que "gostava" de mim denovo
Eu sempre chego muito antes das aulas começarem, tal como ele e o amigo dele. No colégio tem tipo um mini corredor que vai dar ao campo de futebol (pra educação física) e a meio desse caminho no lado esquerdo tinha uma sala onde os alunos podiam relaxar, conversar, etc.
Eu nunca tuve coragem pra entrar nessa sala pq o Macaco e o amigo dele tavam sempre lá. Um dia (detalhe importante: um dia antes do dia dos namorados) o desgraçado do menino chegou perto de mim e disse: "Olha não é preciso teres medo de mim. Podes ir pra sala". Eu apenas disse um ok e fiz um sorrisinho do tipo "saiii da minhaa vidaa~" No dia a seguir eu fui lá de boas, abri a porta e disse "bom dia". Olhei pra eles e eles ficaram mt chocados pq eu era mt tímida. Eu me sentei numa mesa longe deles e eles ficaram de boas. Eu também fiquei de boas e comecei a ver fotos do Harry Styles (cada um com os seus gostos). Esse cantor tem uma música chamada falling e tal e no refrão ele diz "im falling again, im falling again.. FAAAALING" (tradução: falling pode significar ou cair do tipo tropeçar oy tmb pode ser de se apaixonar do tipo "eu tou caindo de amores"). Eu tava vendo as fotos e tal equanto ouvia essa música e no refrão começaram a aparecer gifs dele a cair em palco. Eu não aguentei, eu comecei a rir muito
O Macaco olhou logo pra mim. Ele: Oq é q é tão engraçado? Eu: nada.. Ele: oq é q tás a ver? Eu: fotos de um cantor.. Ele: Quem? Eu: Harry Styles.. Ele: Hm.. Ok.
Uns minutinhos depois ele olhou para mim e me chamou Eu: oque foi? Ele: queres me acompanhar neste dia de S. Valentim? numa voz fofa e simpática Eu: Não Amigo: Ela namora com o amiguinho gay dela Eu: Não namoro não Amigo: Namoras sim Eu: Nós somos amigos Amigo: ta bem vou fingir que acredito.
Ficou um silêncio meio constrangedor. Mas não durou muito
Macaco: Bora jogar à bola aqui? Amigo: Bora
Eles queriam jogar ao jogo dos passes DENTRO DE UMA SALA ESTREITA (é tipo um jogo em que vão chutando a bola pro colega e ele chuta de volta)
Eles foram um pra cada ponta da sala e como óbvio o Macaco ficou perto de mim (CHATOOOO SE AFASTAA AIN) Eles começaram a jogar, de boas, e do nada o amigo dele chuta a bola um pouco alto. Eu me encolhi com medo de levar com uma bola dura de futebol na fussa e o chato abriu novamente a boca
Macaco : não é preciso teres medo, eu não sou q nem o teu amiguinho q n te defende Os dois começaram a rir e eu fiquei calada e séria e eles continuaram.
(Aconteceram outras coisas mas n é nada demais.)
Outros dias depois reparei que essa sala tava em obras. E a duplinha dos animais tavam sentados num banco à frente da sala.
Eu: Ei algum de vocês sabe oq se passa com a sala? Macaco: sim, linda Eu dei um sorriso do tipo "cala a boca" Amigo: ela namora com o outro (ele tava a falar do mesmo amigo "gay") Eu: Eu não namoro com ele, ele é meu amigo Eles ficaram em silêncio e dps o Macaco continuou Macaco: ent, aqui vai ser a sala dos professores e (bla bla bla q não ouvi). Eu: ah obrigada! Ele: denada fofa. Eu: ok tchau começo a andar pro corredor Ele: queres q eu te acompanhe? Eu: haha, não! Tou ótima!
Entretanto outro amigo deles chegou e eles começaram a falar. Do nada chegaram os 3 perto de mim e o chato tentou cantar "Story of my Life" (uma música dos one direcyion) Mas como óbvio ele não podia ser uma pessoa normal a cantar, não. Ele não sabia quase nada da letra por isso ele tava tipo "nanana my life nananana"
Eu me senti mt constragida e comecei a me afastar deles. Graças a Deus uma amiga minha já tinha chegado e eu fui atrás dela. Eles não me perseguiram (ainda bem) O dia continuou normal.
Daí, numa semana tava um clima meio estranho na escola por causa do Covid. Não sabiam se as escolas iam fechar ou não.. E daí na sexta feira decidiram.
Sim, as escolas iriam fechar oficialmente.
Quase ninguém foi à escola nesse dia e meio q não teve aula. Tivemos apenas a recolher os cadernos e materiais que precisávamos e alguns professores fizeram umas atividades simples.
Ao fim do dia tava eu e 3 amigas num canto. Esse canto é literalmente entre uma sala e a sala desse menino irritante. Uma das meninas precisava de guardar uma coisa na mochila, e ela n queria ir sozinha. Elas:..... Eu: eu posso ir Uma amiga: eu tmb Outra: não me vão deixar sozinha pois não?! Eu: Ok vamos todas
Eu já tava em pé e já tava preparada pra sair de lá. Dei uns passos e me deparei logo com esta cena: o Macaco de joelhos em cima de um skate a tentar andar nele. Eu recuei e comecei a rir e eu acho q uma das amigas tmb viu pq ela tmb tava a rir ksks. Esperámos a última amiga se levantar e fomos.
Quando começámos a passar por ele ele tava sentado no skate e essa amiga q viu começou a rir e a dar sinal pra eu olhar pra ele. Continuámos a rir um pouco e fomos esperar a amiga guardar a tal coisa. Entretanto uma auxiliar chamou essa menina pq a mãe dela já tava no portão pra levar pra casa. Ela foi e vi a minha nova bff a entrar na escola. Ela foi lá pta levar os livros que ela não levou. Eu fui com ela e mais uma amiga dela de boas levar os livros dela e passámos pelo Macaco Detalhe: essa amiga dela me shipa muito com ele ;-; Ela: OLHA O AMOR DA TUA VIDA ALI A OLHAR PRA TI E eu, como a lerda q sou, olhei LOGO pra ELE. (alguém me mata)
Uns minutos depois voltei pras duas amigas q tava a falar antes e fomos pra uma mesa em frente da sala dele.
Ele: Inês Eu: sim? Ele: tens bateria infinita nesse telemóvel (celular)? Eu: quê? Ele: ficaste o dia todo com ele e ele ainda tem bateria Eu: ok?.. Ele: quanto é q tens? Eu: 60% Ele: mds
Eu continuei o meu caminho e ele perguntou outra coisa mas eu ignorei. Fui pra mesa com as 2 migas e começámos a ver uns vídeos. Do nada o ar olhou pra mim e disse: vou me tornar em vento Começou a ficar mt vento e o meu cabelo tava a voar pra minha cara ;-; eu tava a tentar afastar e fiquri tipo : PORRA SAI DA MINHA CARA, CABELO!! Daí olhei pro lado e ele tava a olhar pra mim ;-; o pior é q ele não desviou o olhar. Ele continuou a olhar pra mim como se fosse animal do zoo. Eu fingi q n aconteceu nada e continuei a ver o vídeo com as meninas.
Bom Aconteceram muitas outras coisas, mas tou sem paciência pra contar todas. Resumozinho: Até q nos damos bem, ele me diz bom dia, eu digo bom dia de volta.. Mas é aquele tipo de amigos q só se falam numa hora determinada do dia, porém não tão próximos. Ele já me tentou pedir o whats e o insta mas eu não dei pq eu não tenho (ok agr tenho insta mas fds). E por causa da quarentena não nos podemos falar. Eu já entrei na videochamada da turma dele sem querer e foi isso ;-;
Obrigada por gastar o seu tempo a ler esta história bizarra e longa que eu gostava que fosse fake ;-;, bjs tenha um bom dia.
submitted by InezinhaDirectioner to TurmaFeira [link] [comments]


2020.02.15 00:12 lalalupsi123 Me sinto atraído por todo mundo e isso é uma merda

Eu sinceramente não sei se isso é normal ou não, nunca conversei sobre esse tipo de coisas com ninguém mas é foda. Eu costumava ignorar essas questões de sexualidade e desejo e amor e tals pq eu nunca soube lidar nem quis lidar com essas coisas. Mas a cada dia eu menos consigo evitar em pensar nessas coisas. É o t e m p o todo e eu não suporto isso, me atrapalha de verdade. Tenho 16 e sou muito tímido e inseguro, tenho até que uma boa quantidade de amigos mas praticamente todos vieram até mim, pq não consigo falar com as pessoas espontaneamente e por vontade própria. Ainda sou bvl e nunca fiquei nem namorei e essas coisas todas ai, Mas não foi por falta de oportunidade. Como eu disse, tenho dificuldade em falar com as pessoas e até mesmo com meus amigos, penso demais no que falo e sempre acabo falando merda, gaguejando ou trocando letras. Fui um pouco gago quando bem menor, mas frequentei fonoaudiólogo e aparentemente sumiu isso ai,mas parece que tô com isso denovo. Enfim, o problema é que eu ando num conflito sobre eu ser bi ou gay(já faz uns anos mas agora isso tá me atingindo mais, agora que tô no ensino médio onde tenho mais contato com esses bang), isso faz mal dms pra mim pq não quero e nego de todo jeito o fato de eu provavelmente eu ser gay pq seria horrível ter que fazer minha família lidar com isso e além da minha religião, e nem eu quero aceitar isso. Mas no fundo eu já vi que eu definitivamente ou quase não olho pra uma mulher e me atraio, mas por eu nunca ter ficado de vdd com uma eu ainda tenho dúvidas (nem com caras, mas claramente me atraio por eles) e aí vem problema. Eu não sei se vou ter alguma paz até experimentar e confirmar tudo isso ai, mas eu simplesmente não consigo, eu posso até querer ficar com alguém, Mas a partir do momento que a pessoa demonstra que gosta de mim ou quer ficar comigo eu travo completamente, e ou viro um babaca ou dou perdidos nela, pq sinto um nervoso enorme só de pensar em ficar com alguém,principalmente com mulheres. Como eu disse, algumas amigas e pans já me deram bola e um outro cara tambem, até pediram pra ficar mas eu sempre arrumava um desculpa ou enrolava pq simplesmente não conseguia levar isso pra frente, e também por ser muito seletivo e não me orgulho disso, e ainda tem o bang de eu manter minha sexualidade em segredo(entre meus amigos, acham que eu sou o fodao pegador heterotop que pega td mundo só pq me dão bola, Mas na verdade fujo de toda oportunidade). De verdade, eu não quero desesperadamente perder bvl, namorar e perder virgindade e tals, eu realmente tô de boa e não me afeta, mas aí vem outra coisa que me aflige mesmo. Eu não consigo ficar um momento só sem começar a pensar nessas coisas, imaginar coisas com amigos e pessoas que eu vejo na escola, ônibus e rua e qualquer cara bonitinho e garota que se encaixa num certo estilo que me atrai eu já fico louco imaginando nosso futuro e 1001 maneiras de se conhecer e ficarkkkkkkk ai Isso me atrapalha nos estudos e toma muito do meu tempo, ando pouco produtivo e essa minha cabeça cheia de pensamentos sujos que me enojam me deixam deprimido e mais tímido do que nunca. Não gosto mais nem que toquem em mim pq eu sei que vou surtar com pensamentos ruins que isso desecadeam, principalmente meus amigos. Queria saber de alguém tem ideia de como ficar livre de pensar em coisa pervertida toda hora e me sentir mais em paz, e lidar com algumas dessas minhas neuras ridículas de adolescente. Tudo oque eu quero é olhar pra alguém e não me ver no vapovapo(kk) com ela e coisa do tipo, e ficar tranquilo pensando eu coisas normais e agir mais normalmente. Cada vez mais eu acho que meus amigos e colegas me acham estranho pelo tanto que me afasto e dou um de "não me toque", de ficar 100% sem graças com qualquer piada relacionada a essas coisas ou toque, parece que me testam pra ver como vou reagir. É como se desconfiassem de mim(sobre minha sexualidade). Outra neura é essa. Sou incrivelmente paranoico e qualquer coisa ou modo de falar de alguém já se torna uma teoria gigantesca da conspiração contra mim e minha ansiedade e nervosismo aumenta. Bem, eu acho que é isso. Desculpa por esse texto, eu não sei se isso é coisa minha ou se todo mundo já passou por algo parecido. Provavelmente sou só recluso e fresco demais pra achar tudo isso um grande problema. Boa noite pessoar
submitted by lalalupsi123 to desabafos [link] [comments]


2020.02.14 23:57 lalalupsi123 Me sinto atraído por todo mundo e isso é uma merda

Eu sinceramente não sei se isso é normal ou não, nunca conversei sobre esse tipo de coisas com ninguém mas é foda. Eu costumava ignorar essas questões de sexualidade e desejo e amor e tals pq eu nunca soube lidar nem quis lidar com essas coisas. Mas a cada dia eu menos consigo evitar em pensar nessas coisas. É o t e m p o todo e eu não suporto isso, me atrapalha de verdade. Tenho 16 e sou muito tímido e inseguro, tenho até que uma boa quantidade de amigos mas praticamente todos vieram até mim, pq não consigo falar com as pessoas espontaneamente e por vontade própria. Ainda sou bvl e nunca fiquei nem namorei e essas coisas todas ai, Mas não foi por falta de oportunidade. Como eu disse, tenho dificuldade em falar com as pessoas e até mesmo com meus amigos, penso demais no que falo e sempre acabo falando merda, gaguejando ou trocando letras. Fui um pouco gago quando bem menor, mas frequentei fonoaudiólogo e aparentemente sumiu isso ai,mas parece que tô com isso denovo. Enfim, o problema é que eu ando num conflito sobre eu ser bi ou gay(já faz uns anos mas agora isso tá me atingindo mais, agora que tô no ensino médio onde tenho mais contato com esses bang), isso faz mal dms pra mim pq não quero e nego de todo jeito o fato de eu provavelmente eu ser gay pq seria horrível ter que fazer minha família lidar com isso e além da minha religião, e nem eu quero aceitar isso. Mas no fundo eu já vi que eu definitivamente ou quase não olho pra uma mulher e me atraio, mas por eu nunca ter ficado de vdd com uma eu ainda tenho dúvidas (nem com caras, mas claramente me atraio por eles) e aí vem problema. Eu não sei se vou ter alguma paz até experimentar e confirmar tudo isso ai, mas eu simplesmente não consigo, eu posso até querer ficar com alguém, Mas a partir do momento que a pessoa demonstra que gosta de mim ou quer ficar comigo eu travo completamente, e ou viro um babaca ou dou perdidos nela, pq sinto um nervoso enorme só de pensar em ficar com alguém,principalmente com mulheres. Como eu disse, algumas amigas e pans já me deram bola e um outro cara tambem, até pediram pra ficar mas eu sempre arrumava um desculpa ou enrolava pq simplesmente não conseguia levar isso pra frente, e também por ser muito seletivo e não me orgulho disso, e ainda tem o bang de eu manter minha sexualidade em segredo(entre meus amigos, acham que eu sou o fodao pegador heterotop que pega td mundo só pq me dão bola, Mas na verdade fujo de toda oportunidade). De verdade, eu não quero desesperadamente perder bvl, namorar e perder virgindade e tals, eu realmente tô de boa e não me afeta, mas aí vem outra coisa que me aflige mesmo. Eu não consigo ficar um momento só sem começar a pensar nessas coisas, imaginar coisas com amigos e pessoas que eu vejo na escola, ônibus e rua e qualquer cara bonitinho e garota que se encaixa num certo estilo que me atrai eu já fico louco imaginando nosso futuro e 1001 maneiras de se conhecer e ficarkkkkkkk ai Isso me atrapalha nos estudos e toma muito do meu tempo, ando pouco produtivo e essa minha cabeça cheia de pensamentos sujos que me enojam me deixam deprimido e mais tímido do que nunca. Não gosto mais nem que toquem em mim pq eu sei que vou surtar com pensamentos ruins que isso desecadeam, principalmente meus amigos. Queria saber de alguém tem ideia de como ficar livre de pensar em coisa pervertida toda hora e me sentir mais em paz, e lidar com algumas dessas minhas neuras ridículas de adolescente. Tudo oque eu quero é olhar pra alguém e não me ver no vapovapo(kk) com ela e coisa do tipo, e ficar tranquilo pensando eu coisas normais e agir mais normalmente. Cada vez mais eu acho que meus amigos e colegas me acham estranho pelo tanto que me afasto e dou um de "não me toque", de ficar 100% sem graças com qualquer piada relacionada a essas coisas ou toque, parece que me testam pra ver como vou reagir. É como se desconfiassem de mim(sobre minha sexualidade). Outra neura é essa. Sou incrivelmente paranoico e qualquer coisa ou modo de falar de alguém já se torna uma teoria gigantesca da conspiração contra mim e minha ansiedade e nervosismo aumenta. Bem, eu acho que é isso. Desculpa por esse texto, eu não sei se isso é coisa minha ou se todo mundo já passou por algo parecido. Provavelmente sou só recluso e fresco demais pra achar tudo isso um grande problema. Boa noite pessoar
submitted by lalalupsi123 to sexualidade [link] [comments]


2019.11.09 16:27 BokoMoko Minha primeira vez fumando maconha.

A maioria das pessoas estabelece seu primeiro contato com drogas na juventude, alguns na adolescência. Comigo foi diferente. Mesmo jovem eu era muito careta. Achava que drogas prejudicavam o auto conhecimento e sendo um "control freak", ficava ansioso diante da possibilidade de "perder o controle". Nem álcool eu curtia muito. Adicione a essa trava uma asma que me acompanha desde criança e a mistura de medo de morrer numa crise deflagrada pela inalação. O resultado: que cheguei perto dos 50 anos e nunca tinha fumado maconha.
Alguns anos antes dessa minha primeiríssima, uma filha adolescente passou por uma fase meio hardcore e ao descobrir que ela estava fumando maconha escondida, decidi me informar sobre o assunto. Minha desinformação alimentava meu preconceito, assim como acontece com todos o preconceitos, né verdade. A trava desapareceu e foi substituída por genuína curiosidade. Um amigo apreciador criou a oportunidade e lá no conforto de casa decidir fumar um bom.
A primeira dificuldade foi aprender a tragar. Nunca havia fumado sequer um cigarro de nicotina em toda a minha vida. Esse sim eu queria distância. E num era trava nem nada não. É só bom senso mesmo. Cigarro de tabaco+nicotina é uma roubada. Depois de muita tosse, olhos lacrimejando e o pavor da crise de asma que rondava, senti os primeiros efeitos. Foi uma viagem de descoberta. Assim como os lugares comuns que descrevem tantas experiências semelhantes. Risadas incontroláveis, uma sensação de relaxamento, ideias loucas, uma forma de raciocínio mais rápida em algumas coisas, mais lentas em outras. Tudo igualzinho ao que todo mundo passa na sua primeira transa com Mary Jane. Só que teve uma coisa que foi diferente.
O amigo fornecedor do bagulho havia dito para escolher umas músicas legais para ouvir enquanto estava chapado e aí vem outra leva de lugares comuns nas sugestões musicais para um coroa de 50+ anos que gosta rock e que foi adolescente nos anos 80. Pink Floyd, Dark Side of the Moon, Dark side of OZ (recomendo) ... Mas eu queria algo que fosse mais único para mim. Não faço a menor ideia do porque mas botei na cabeça que ouviria Pink Floyd sim, só que um album pouco conhecido e que assim com "The Wall", havia marcado muito minha juventude -> The Final Cut.
Meu LP comprado na década de 80 estava lá guardado ao lado do The Wall que comprei em 1981 e cujas capas estão em frangalhos de tanto que os escutei. The Final Cut está bem mais bem conservado. Mas não importa. Meu toca disco havia falecido (decúbito central) antes de me casar. Meus filhos estão na faculdade. Vamos de Deezer ... E aí aconteceu o "fenômeno".
Eu lembrava de TODAS as letras de TODAS as músicas de um álbum obscuro que nunca vi tocar em rádio ou MTV. Ou em qualquer outro dispositivo há pelo menos uns 20 anos. Isso mesmo. Fazia no mínimo uns 20 anos que tinha ouvido essa álbum em específico.
Dizem que maconha afeta a memória. De fato, afeta sim. Mas não só de forma negativa, fazendo a gente esquecer onde colocou os óculos (estão na sua face) ou onde deixou o chaveiro do carro (está na sua mão). Mas afeta também de outra forma. Acho que ajuda a conectar com as lembranças não racionais, as lembranças emocionais que ficam gravadas de forma permanente na gente, como as músicas de uma banda fundamental como Pink Floyd tocando no juízo e um jovem nerd estudante de ciência da computação.
De onde vem isso ? Chapado, decidi testar uma coisa que alguns colegas da faculdade diziam e que a mitologia nerd atesta ser verdadeiro. Que maconha ajuda a programar computadores. Eu escutava essa "lenda" desde a faculdade e lenda nerd que dizia que o ar-condicionado central da ATARI cheirava a maconha. O próprio Steve Jobs contou várias vezes essa história. Vamos lá ! Abri o notebook e danei-me a programar em Python, uma linguagem de programação que havia aprendido recentemente. Que delícia programar chapado ! Eu já gostava de programar, curto muito. É mais que um trabalho. E agora com ajuda do THC o código sai mais fácil, mais rápido. A concentração é maior. Caramba !!! Que mais que dá para fazer nesse estado prazeroso ?
Pilotar motos!
Cê tá maluco ???? Comeu sarapatel de cachorro doido ?
Isso mesmo. Mas em condições controladas.
Depois das "first dances with Mary Jane" comecei a cogitar pilotar minha moto "under the influence". As condições ideais apareceram e lá vou eu por uma estrada sinuosa que liga uma praia paradisíaca do litoral do nordeste (antes do óleo) a BR principal que me levaria de volta para casa num domingo a tarde. Trânsito tranquilo, dia de sol, estrada em boas condições, moto afiada, eu emaconhado em cima e .... que delícia.
Recomendo.
Hoje já não sinto a mesma chapação que senti na primeiríssima ao som do The Final Cut.
submitted by BokoMoko to brasil [link] [comments]


2019.10.13 21:14 Alfre-douh Álbum

“Vais mesmo comprar isso? Não existe no Spotify ou assim? Desculpa, não estou mesmo a perceber o fascínio…” ouvia eu longe. As palavras soavam distorcidas de tão ébrio que eu estava. A distância que este avassalamento me causou a tudo o resto era das coisas mais difíceis de explicar, mas tentando disse-lhe: “Não consegues imaginar a história que eu tenho com este álbum. Ouvi mais vezes este álbum do que ouvi os meus pais a falar comigo…” sem desviar o olhar do artefacto. Ela provavelmente encolheu os ombros e viu que não havia ali hipótese de conversa dado o meu modo hiperbólico. É o tipo de pessoa que vê as coisas pelo prisma da popularidade. A coerência de gosto dela baseia-se numa noção de que se for bom, tem projeção mediática, passa na rádio, enche pavilhões, tem seguidores nas redes sociais. Tudo aquilo que não seguir essa lógica é para ela uma conduta-franja, de dinâmica semelhante às pessoas que têm comportamentos desviantes e cujas vidas deve ser estudada por antropólogos ou espectadores do TLC. Se eu fosse um cruzado isto seria o Santo Graal, se eu fosse o Império Romano isto seria o Latim, se eu fosse o Miguel Ângelo isto seriam as minhas ferramentas de trabalho, o cravo onde o Mozart conheceu as primeiras notas, a maçã do Newton. Só por si, isoladamente, não valem grande coisa, mas aquilo que lhes está inerente é o que as torna incríveis. Este álbum foi a coisa mais fantástica que me aconteceu.
“Então, mas se gostas tanto dele…Como é que já não tens uma cópia?” diz-me ela, acrescentando “…acho que nunca vi ninguém com tanto fascínio por causa de um CD”. A história era longa, mas eu tinha de contar, dar-lhe algum tipo de explicação, já que no momento em que “o” vi, ela e tudo o resto que houvesse para fazer naquele domingo tinham passado para um nível de prioridade muito abaixo.
“Eu tinha 12 anos quando o meu irmão me trouxe uma cópia em CD deste álbum. Naquele tempo o meu irmão tinha um amigo que importava CD’s de punk e afins, e lhe orientava umas cópias. Tudo isto foi antes de existir o Napster, portanto toma noção do que estamos aqui a falar. Vejo, de forma nítida e clara, o momento em que ele me disse para o pôr a tocar. Eu estava a jogar Midtown Madness no meu Pentium III, e ele atira-me o CD para o teclado. Lembro-me de olhar para o CD e ler: Cacth 22 – Keasbey Nights. Aquele erro ortográfico (primeiro que eu soubesse) fez-me andar às voltas durante anos. Eu nunca tinha ouvido algo tão rápido e ao mesmo tempo pleno de melodia. Foi amor. É amor. Porque no fundo amar é isso: a positiva singularidade emocional e sentimental provocada por algo ou alguém, que te atira para uma realidade imersiva de prazer.”
A este ponto do meu extenso monólogo, percebo-lhe no olhar um misto de inveja com desconfiança. Como se todo o meu corpo naquele momento falasse de um prazer absurdo, desmedido. E, efetivamente, falava disso mesmo.
Ri-me de forma nervosa dizendo-lhe: “Desculpa, eu estou a ser um tremendo chato…”. Ela, por cordialidade romântica, devolveu-me um “Não estás! Apenas não percebo o fascínio…é normal”. “Que querida…” pensei. Quem haveria de dizer que era naquela loja de música: decrépita, numa ruela do Saldanha, desatualizada, com preços escritos a marcador em cartolina fluorescente, que eu iria descobrir uma cópia original do Keasbey Nights. Ainda para mais tudo aquilo era digno de piada. Eu apenas quis entrar na loja porque, no gozo, andei o encontro inteiro a cantar Killing me softly. Ela tinha-me contado sobre a sua primeira paixão, uma história bonita (embora banal) com descrições sobre recreios dos anos 90, e eu, num humor de fuga-ao-tédio lá comecei a cantar isso. Fortuitamente, acabamos ali porque às tantas disse-lhe que lhe ia comprar o CD. Pura piada.
Comprei o CD e, quando saí da loja, dei-lhe a mão. Não porque estivesse a ser um encontro fenomenal, mas em puro impulso. A excitação que tinha em mim, era incomportável.
Tinha andado anos a perguntar pela banda: “Cacth 22, conheces?” “Não será Catch 22, há um livro com esse nome…?” respondiam. “Não! É Cacth 22…”.
Com a internet, cheguei lá: Catch 22, banda norte-americana de ska-punk formada em Nova Jersey, separada em parcialmente em 1998. Aquilo que fizeram depois disso era um som muito diferente e a atirar para o pop. Procurei em vão, pensei em importar, mas isso importava umas três semanadas, logo: não. Ouvi o CD que meu irmão me deu à exaustão, fiz cópias, mas finalmente tinha-o ali nas minhas mãos, com o livrinho das letras e tal. Perdoe-me o Tony Carreira, mas isto sim é o sonho de menino realizado.
A rapariga…coitada. Levou um frete de saudosismo à adolescência que nunca mais disse nada. “Dano colateral… no amor há sempre disso” conclui lembrando-me da faixa número 5 do álbum.
submitted by Alfre-douh to escrita [link] [comments]


2019.06.23 23:56 d3rr1c53xpl0r3r Como tudo aconteceu (Na minha Cabeça)

Depois de ter ouvido todos os 24 episódios do Caso Evandro é impossível não formar uma narrativa própria na sua cabeça. Ao longo desses 24 episódios você transita entre a culpabilidade e inocência dos sete acusados. Impossível não, já que num caso tão conturbado quanto esse e com tantas variáveis fica difícil acreditar 100% em qualquer depoimento ou confissão. Pensei em esperar que todos os episódios saíssem antes de fazer esse post, mas aí lembrei que o Ivan mencionou que dará o seu parecer pessoal de como acha que as coisas aconteceram. Então para que não haja “Depois de ter ouvido fica fácil falar”, eu vou postar agora. Até para que eu não me influencie pela versão dele. Caso nos próximos episódios alguma coisa bombástica venha à tona e mude a minha opinião, eu irei colocar edits na minha postagem.
Só para que vocês entendam um pouco sobre mim venho de uma família umbandista e cresci entremeio sessões espiritas em casa, centros de umbanda e candomblé e “presenciei” sacrifícios de animais (Por ser pequeno na época, nunca me deixaram ver o ato, mas via o resultado nos dias seguintes. Como já ficou claro, as vísceras têm que ficar no alguidar por 3 dias antes de serem descartadas em água corrente, ou levadas a uma encruzilhada). Meu avô (Já falecido) era pai de santo e minha tia filha de santo e atendíamos apenas família e vizinhos próximos. Nunca tivemos um centro propriamente dito. E como isso já faz bastante tempo, obviamente algumas coisas me somem à memoria então fui pesquisar mais sobre o assunto.
Antes que eu comece, até para que vocês entendam um pouco melhor sobre as religiões Afro-Brasileiras, existem VÁRIAS vertentes. Sabe aquela coisa de brasileiro “gourmetizar” as coisas? (isso será importante na minha versão da história) Pois bem, com essas religiões não é diferente. Primariamente vieram da África com seus escravos TRÊS religiões, a Umbanda, a Quimbanda (ou Kimbanda) e o Candomblé. Sendo a umbanda e a quimbanda cultos semelhantes. Na “Umbanda Branca” temos o trivial de sessões espiritas, atendimento aos consulentes e o famoso passe (Algo apenas para dar uma paz de espirito a quem precisa, limpeza de aura e etc.) e oferendas à Yemanjá, Oxalá, Xangô, Ogum, Oxossi, Iori, Iorimá, que são as 7 linhas da umbanda. Na “Umbanda Negra” ou Quimbanda também há 7 linhas, todas chefiadas (encabeçadas) por diferentes Exus, que esses por sua vez em troca de sua sabedoria e conhecimento de outros Exus da gira (networking) pedem oferendas mais “caras”, oferendas de sacrifício de sangue. Dependendo do que lhes é pedido os tipos de oferenda variam desde uma simples galinha até humanos. Na África até hoje esses sacrifícios acontecem segundo o que pude encontrar (Não sei se é verdade). Eu poderia fazer um post apenas sobre isso, pois é uma assunto MUITO extenso e complexo. Pois bem, abaixo vocês podem conferir a minha versão do acontecido. Algumas coisas apenas os envolvidos sabem e ninguém NUNCA saberá a verdade.
Chega em Guaratuba no começo de Janeiro de 1992, o “Pai-de-Santo” e jogador de Búzios Osvaldo Marceneiro com sua então namorada Andrea Barros e os mesmos tentam estabelecer negócio na feira de artesanato no centro da cidade. Antes que os outros integrantes da feira se opusessem a permanecia de Osvaldo na feira, o mesmo conhece Beatriz Abagge que como declarou varias vezes gostava de misticismo e coisas do gênero. Após algumas leituras de Búzios os dois se tornaram próximos e assim começaram um relacionamento de amizade. Beatriz por sua vez leva seus pais a uma consulta em 29 de Janeiro de 1992.
Osvaldo por morar no imóvel de Carmelita Cristofolini, ficou sabendo do terreiro da Mae Hortência o qual Beatriz Abbage também frequentava. Carona vai e carona vem, já que Osvaldo não tinha carro (como declarou), os dois vão ficando cada vez mais próximos. Beatriz Abagge recém separada de seu noivo, estava obviamente em busca de respostas e um direcionamento em sua vida e recorreu a ajuda de Osvaldo nos búzios (Aquela coisa de mulher, “será que ele vai voltar”, “será que ele ainda gosta de mim” e etc.). Contundo Osvaldo oferece não apenas o consolo espiritual, mas também um consolo emocional e o que era amizade acaba se tornando um affair. Aí pronto, isso é o suficiente para que Beatriz comece mover montanhas por Osvaldo. Logo após isso os outros integrantes da feira de artesanato começam uma movimentação para que Osvaldo e Andrea sejam removidos da feira e com o apoio de Beatriz, Osvaldo vai à prefeitura de Guaratuba para pedir ao Prefeito Aldo Abagge que o conceda um alvará de funcionamento na Feira. Com isso Osvaldo conhece Davi Dos Santos Soares que era o Vice-Presidente do conselho dos artesãos e esses se tornam amigos. (Não sei ao certo, ou não me lembro de onde Vicente de Paula e Osvaldo se conhecem ou quando se conhecem). Pois bem, Osvaldo consegue a permissão para permanecer na feira lendo os seus Búzios.
Osvaldo, um jovem que na verdade era FILHO-de-Santo precisa se “firmar” para conseguir se tornar um Pai-de-santo propriamente dito e abrir o próprio Terreiro em Guaratuba com a ajuda de Beatriz Abagge. Osvaldo foi vulgarmente chamado de “pai-de-santo” por todos por ignorância dos que não conhecem como a religião de fato funciona. Só é considerado “Pai-de-Santo” quem tem um terreiro e passa por uma iniciação feita por um outro Pai-de-Santo que tem um terreiro em funcionamento. No caso da região de Guaratuba já existia um terreiro, o da Mãe Hortência, e por motivos não sabidos talvez a Mae Hortência não quis iniciar Osvaldo (O que já é um red flag). Pois bem, Osvaldo ambicioso e com sede de se estabelecer de vez em Guaratuba pois agora estava apaixonado por Beatriz vai atrás de informações para fazer a sua própria iniciação como Pai-de-Santo na umbanda. Entendam, para que alguém se torne Pai-de-Santo, o mesmo deve possuir amplo conhecimento sobre a religião, linhas de trabalhos, tipos de espirito, como proceder no caso de algo dar errado numa sessão, e principalmente, o quão forte o “cavalo” é, se aguenta a pressão imposta pelos espíritos. (Algo que não mencionei no texto acima sobre as religiões, é que Umbanda e Quimbanda se entrelaçam de uma maneira homogenia. Quem segue uma acaba seguindo a outra indiretamente, já que as duas juntas são o ponto de equilíbrio. Sendo uma sempre contraria à outra.).
Já envolvido com Vicente de Paula e Davi dos Santos Soares, Osvaldo começa a busca de sua primeira oferenda. Oferenda essa para se auto iniciar como Pai-de-Santo. Com isto, o menino Leandro Bossi desaparece em 15 de Fevereiro de 1992. Não temos detalhes sobre esse acontecido pois como tudo consta o menino Leandro continua “desaparecido”. Há “informações” de que o corpo havia sido descartado no mesmo rio onde o saco com partes de Evandro seriam encontrados mais adiante, porem nada de concreto foi constatado. Vale ressaltar que não acredito que Beatriz e Celina estejam envolvidas nesse desaparecimento, inclusive acho que Beatriz na época do ocorrido em Fevereiro não ficou sabendo que havia sido Osvaldo o responsável por isso, pois ate então os dois não eram tão próximos assim e obviamente Osvaldo não queria assustá-la. Pois entendam, somente quem segue a religião e a estuda, entende a razão do sacrifício e não encara isso como um crime, pois o está fazendo por suas crenças e o vê como necessário para obter o que almeja. (Não estou de maneira nenhuma defendendo a prática, e de fato apesar da religião requerer tais sacrifícios os mesmos não deverão ser praticados pois envolve o assassinato cruel de um semelhante. Aqui sem dúvida entra a linha tênue entre a crença e a moral do ser humano)
O menino Leandro continua desaparecido e ninguém tem pistas, apenas o relato de Diógenes de ter visto Leandro na garupa da moto com Osvaldo (?). Portanto esse acontecido segue em paralelo enquanto as vidas dos 7 acusados continuam e tudo está maravilhoso. Osvaldo, De Paula e Davi estava certos que nunca ninguém descobriria o que aconteceu, como de fato não descobriram, pois, o retrato do Menino Leandro Bossi continua na pagina do SECRIDE na seção de crianças desaparecidas, ou seja, não falecidas. Portanto não há materialidade para se constatar que um homicídio ocorreu.
Passam-se então quase dois meses até que cheguemos ao desaparecimento do menino Evandro Ramos Caetano. Nesses dois meses, na minha cabeça entendo que muitas coisas aconteceram, principalmente entre Beatriz Abagge e Osvaldo Marceneiro. Os dois com certeza se tornaram ainda mais próximos, porem Osvaldo tinha Andrea, a qual já suspeitava do affair entre os dois. Daí vem os relatos de ciúmes excessivo de Osvaldo e de possíveis agressões. Só quem trairia (ou trai), acha que está sendo traído. Pensem, o affair de Osvaldo e Beatriz jamais poderia vir à tona, por várias razões. Primeiro, Osvaldo era juntado com Andrea que veio com ele pra Guaratuba, ela talvez não tivesse pra onde ir caso os dois se separassem e por esse motivo Osvaldo talvez se sentisse responsável por ela, já que a mesma o acompanhou ate Guaratuba. Segundo, Beatriz era filha do prefeito e da poderosa Família Abagge, e não poderia ser vista com tendo um caso com um “Pai-de-Santo”. Isso iria colocar em xeque a credibilidade da família perante a política local e até mesmo estadual. Sem mencionar que na cidade o mesmo já era visto com maus olhos pelos artesãos e obviamente pelo eleitorado católico, predominante em cidades do interior brasileiro, incluindo Celina Abbage.
Porém, sabem como é não é verdade? Basta apenas que uma dádiva seja concedida para que o descrente se torne crente. Nesses dois meses Osvaldo dever ter feito alguma previsão que se tornou realidade, ou fez algum trabalho (Oferenda) para Beatriz que se provou frutífero e a mesma juntada de seus sentimentos por Osvaldo mergulhou de cabeça na idéia. Nesse interim Beatriz começou um trabalho de convencimento com seus pais com prováveis “Tá vendo, não disse que ele é serio” ou “Desde que o Osvaldo começou a fazer trabalhos nossa vida tem melhorado, estamos abrindo o Centro pra cuidar das crianças, você esta trazendo o partido pra cidade, vai Lançar a Denise como candidata e etc.” ou coisas do tipo. O que não sabíamos no começo do podcast mas ficou claro nos últimos episódios é que Celina era extremamente arrogante, ambiciosa e sedenta por poder. Logo, ao ver que as coisas estavam andando na vida da família atribuiu tudo (por influencia de Beatriz) à Osvaldo, esquecendo assim o seu catolicismo e se convertendo ao “Osvaldicismo”.
Osvaldo, sabendo que sua influência na família Abagge havia aumentado consideravelmente em poucos meses propõe à beatriz que abrissem um centro de Umbanda junto com De Paula e Davi que já estavam próximos ao “casal” nesta época. O único problema é em que cidades pequenas, notícias envolvendo a família do prefeito correm rápido. Logo ficou sabido que Beatriz estava envolvida na abertura de um centro de umbanda com Osvaldo. O que fez com que a mesma, até por pedido de seu próprio pai deixasse a idéia de lado pois não seria bom por motivos políticos. Enfim, com algumas coisas indo bem pra família Abagge atribuídas à Osvaldo faltavam as coisas principais serem “consertadas”. A serraria que não andava muito bem das pernas (e da onde provavelmente vinha o sustento de toda a família, já que pelo que dá a entender Beatriz, suas irmãs e sua mãe não tinham renda alguma ainda que estavam envolvidas em projetos aqui e acolá) e a força política que Aldo e Celina tanto queriam e que estava sendo ameaçada por Diógenes (com seus panfletos) e pelo outro candidato da oposição (o qual não me recordo o nome).
A família Abagge convencida de que Osvaldo tinha o poder de interceder por eles e ajudar a família a sair dos problemas políticos e financeiros que os afligiam pedem ajuda à Osvaldo. Agora lembrem-se de que Osvaldo não tinha nenhuma outra ocupação a não ser jogar búzios e ser “Pai-de-Santo”. Depois de meses de consultas com a população de Guaratuba e seu envolvimento com Beatriz, Osvaldo vê neste apelo a chance de fazer um pé de meia. Neste momento Osvaldo descreve à Beatriz o que deveria ser feito, quanto custaria e quem participaria. Acredito que Beatriz ao ouvir o que deveria ser feito deve ter se assustado e não deve ter concordado de primeira, porem Osvaldo lhe diz que é a única maneira de conseguir tais benefícios. Depois de conversa com sua família Beatriz e Celina decidem proceder com as orientações de Osvaldo. Começa então a segunda caçada ao próximo menino que teria de ser sacrificado. Entra aqui agora a parte da “Gourmetização” da religião. Osvaldo por conveniência ou não, não posso afirmar, envolveu o número 7 neste trabalho. Pois lembrem-se, há de fato 7 linhas de trabalho nas religiões afro-brasileiras. Coincidência ou não, neste caso acredito que não. Osvaldo, além de ter 7 letras, é um nome o qual a soma de suas letras pela numerologia também é 7. Evandro, além de ter 7 letras, também soma o número 7 quando usamos a numerologia. E o suposto ritual acontece no dia 7 de Abril 1992. Neste caso, não acredito que sejam apenas coincidências, pois são muitas. É aquele velho ditado, onde há fumaça há fogo. São muitas coincidências juntas, porém vamos chegar nessa parte quando falarmos sobre as torturas.
Após a aceitação da proposta de Osvaldo, a família Abagge, começa a premeditação do ritual. Se o que falei sobre o número 7 no parágrafo acima confere, então Evandro se torna um alvo. Pois lembrem-se, para que o menino escolhido se encaixasse nos parâmetros, eles deveriam saber o nome do garoto, não poderia ser qualquer garoto. Então assim, as Abagge começam a pensar nos meninos os quais elas sabiam o nome e que poderiam se encaixar no pedido de Osvaldo. Os pais de Evandro estavam diretamente ligados à prefeitura, sendo sua mãe Maria trabalhando na Escola onde Evandro frequentava e o seu Pai Ademir na prefeitura. Logo, a família Abagge conhecia a família Ramos Caetano muito bem, e sabia o nome de seus filhos. Por um infortúnio Evandro se encaixava perfeitamente. Agora, colocando de lado o simbolismo do número 7, Evandro só estava na hora errada no lugar errado e fui abduzido pois era um menino. Pensem, proveniente de uma família humilde, os Ramos Caetano jamais pensariam que a família Abagge, a mais poderosa de Guaratuba faria uma coisa dessas. Mas sabe aquele negócio de é tão óbvio que ninguém nunca suspeitará? Pois então, mas o que eles não esperavam é que Diógenes estaria à espreita aguardando um passo em falso para que ele atacasse.
Eis que no dia 6 de Abril de 1992 por volta de 9:30 da manhã por um acaso (ou não, pois acredito que o menino Evandro não fazia aquele trajeto todos os dias naquele mesmo horário. Naquele dia ele não havia tomado café (ou esquecido o mini-game) e foi até em casa buscar na hora do recreio) enquanto passando pelas redondezas da casa dos Ramos Caetano, as Abagge avistam o menino Evandro indo pra casa e o seduzem com balas para dentro do carro. Voltando à simbologia do numero 7, lembrem-se de que o ritual seria feito no dia 7, logo elas deveriam ter o menino um ou dois dias antes apenas, pois o mesmo deveria estar vivo no momento do sacrifício e não teriam onde deixar o menino por um longo período de tempo caso o tivessem raptado por muito tempo antes de poder fazer o ritual.
Vale voltar um pouco no tempo para mencionar o relato de Diógenes dizendo que Osvaldo havia espalhado pela cidade que uma grande tragédia iria acontecer e iria virar a cidade de pernas pro ar. Aqui é a parte onde ele mesmo começa a entregar a corda pra que fosse enforcado mais adiante. Sabendo do ritual que aconteceria, já que as Abagge haviam concordado, Osvaldo viu aí a oportunidade de se tornar “famoso” pois ele haveria previsto um acontecimento antes que o mesmo houvesse ocorrido, OU, o mesmo de fato viu nos búzios que algo viraria a cidade de pernas pro ar, mas não sabia que ele estaria envolvido. Afinal, ninguém comete um crime esperando ser pego, certo?
Depois do rapto do menino Evandro no dia 6 começam os preparativos para o ritual no dia seguinte, dia 7. Airton Bardelli, já envolvido com Osvaldo por intermédio de Beatriz recebe a ordem de que no dia seguinte todos da serraria deveriam ser dispensados mais cedo às 6 horas da tarde, para que o trabalho pudesse acontecer às 7 (?). Aqui fica a minha duvida, e eu não sei responder essa questão de como Bardelli e Cristofolini entram no ritual. Será que apenas para composição de quórum, já que Osvaldo disse que precisariam de 7 pessoas? Osvaldo pediu à Cristofollini, seu então vizinho para que apenas os ajudasse compondo o grupo, e a mesma coisa à Bardelli por parte de Beatriz já que Bardelli estaria na Serraria e seria responsável pelos funcionários não estarem lá? Isso é uma das coisas que jamais saberemos. Porém, não acredito na parte que a serraria ficou fechada uma semana para que eles pudessem limpar o local e etc., qualquer idiota colocaria um pedaço grande de lona ou plástico para forrar o chão e não ter que lavar ou limpar o sangue depois. Se eles não o fizeram assim, foram burros – fica a dica pra próxima rs.
O Ritual acontece de acordo como relatado, onde o menino Evandro é oferecido em forma de sacrifício para um Exu (Não para o Diabo, não para Satã, não para nada disso). Acreditem ou não, mas Exus em sua grande maioria não são espíritos maus, são apenas mensageiros entre o mundo dos vivos e dos mortos os quais cobram pelos seus serviços (em forma de oferendas). Contudo, há também Exus de má índole, que são espíritos não evoluídos e que agem pelo lado errado da gira. Qual o Exu ao qual o menino Evandro foi oferecido, nunca saberemos. Após o ritual ser terminado os 7 deixam a serraria e Beatriz e Celina voltam pra casa, e Celina vai à tal festa com Aldo. Osvaldo, De Paula, Davi, Bardelli e Cristofolini se dirigem às suas casas. Aqui fica aquela confusão sobre o dia 6 ou dia 7, bar da dobradinha, jantar na casa de Antonio Costa. E também onde Andrea desmente o álibi de todos, pois diz ter visto Osvaldo e De Paula saindo com roupa de trabalho e sendo buscado por Beatriz. Mais um indício de que Osvaldo e Beatriz estavam tendo um affair o qual Andrea já sabia e por vingança não encobriu o seu namorado.
Voltando ao dia 6, após o desaparecimento de Evandro, sua família obviamente estava recorrendo a qualquer tipo de ajuda. Nisso chega a notícia no terreiro da mãe Hortência por meio de Davina de que o menino havia sumido e a família estava pedindo que pessoas se dirigissem à casa da família para orações. Não obstante, Vicente de Paula vai à casa dos Ramos Caetano e recebe a entidade que se propõe a ajudar porem não quer fazer naquele momento pois o “cavalo” não está com a roupa adequada. A entidade pede que o mesmo coloque sua roupa enquanto vai na “gira” ver se consegue achar o menino e que depois voltaria. Acho que é aqui que o resto está na casa de Antonio costa jantando após a sessão no terreiro. Depois do jantar quem vai ajudar na busca é Osvaldo com Davi dos Santos (que não é o “Cheiro” rs) junto com Davina e seu marido Mario. Quando a entidade pede que seja levada a uma rua que tenha palmeiras Osvaldo sinaliza que sentiu uma presença forte no final da rua perto do mato. Aqui na minha opinião, Osvaldo entrega mais um pouquinho de corda para ser enforcado na tentativa de fazer o seu nome como Pai-de-Santo. Depois da profecia de que haveria uma tragédia na cidade ele deve ter achado por bem profetizar a presença do menino naquela região pois já havia planos de desová-lo lá após o ritual. Porém isso foi mais uma bala na arma de Diógenes.
Cinco dias depois quando o corpo é encontrado no Sábado dia 11 de Abril a 30 metros do local onde Osvaldo havia sentido uma “presença forte”, as coisas começam a ficar suspeitas. Infelizmente o corpo encontrado está além do reconhecimento e fica difícil a confirmação porem como já sabemos o corpo encontrado está sem as mãos, sem alguns dedos dos pés, sem orelhas e olhos e sem órgãos internos incluído coração. E tudo isso é explicado nas doutrinas, a falta das mãos é para fortuna, do pênis para impotência, e assim vai. Não me recordo de todos. E é aqui que as coisas começam a ficar esquisitas e se esclarecer ao mesmo tempo. Mesmo que o corpo encontrado não seja de Evandro, seja de Leandro Bossi por exemplo. Os cortes citados, as partes faltantes do corpo são por coincidência de acordo com a doutrina de sacrifícios?! Não acredito, e tem mais, aqui cai por terra também a teoria de que Diógenes teria conspirado contra as Abagge. Pelos depoimentos de Diógenes ele se mostrou TOTALMENTE ignorante às religiões aqui envolvidas. Portanto, ele não saberia o que fazer com o corpo para que parecesse que um ritual de sacrifício tivesse sido realizado no corpo em questão. E mais, se hoje nem na internet se encontra tais instruções podemos imaginar em 1992. Só quem de fato é praticante há MUITOS anos tem acesso a como praticar tais rituais. Pois não é apenas pegar um corpo X cortar e tchau, como o nome diz é um ritual, portanto existem musicas, palavras a serem faladas dentre outras coisas e só quem estuda há um bom tempo sabe o que fazer.
Portanto quando Diógenes faz a sua denuncia no dia 29 de Maio de 1992 quase DOIS meses depois do ocorrido, ele se baseia em “fofocas” porém também em outros fatos, como sobre a do “Grupo Tigre” estar próximo à família Abagge durante as investigações. Se depois de dois meses ninguém sabe absolutamente nada, é porque alguma coisa tem, concordam? Depois da sua denuncia ao ministério público, o mesmo acha por bem colocar o “Grupo Águia” da PM em uma investigação paralela à da Polícia Civil que nada fez por dois meses. Aqui na minha opinião entra a parte onde Diógenes tinha sim uma agenda contra a Família Abagge. Por N motivos ele não gostava deles em especial à Celina que causou o divórcio de seus pais. Após ficar sabendo de tudo que ficou por intermédio de conhecidos, Davina, Edézio, Jorge Banana e cia, ele foi mais do que correndo colocar a sua denuncia pois então ainda que não tivesse provas concretas pra ele tudo aquilo fez sentido e ele tinha nas mãos o que sempre quis.
Não acredito que as testemunhas tenham mentido a pedido de Diógenes. E entendo o fato delas não terem se pronunciado no dia, ou dias depois. Morando numa cidade pequena onde todos se conhecem, a família mais poderosa e talvez mais rica da cidade se envolve num crime hediondo desses, você se pronunciaria? Eu não me pronunciaria, e é a verdade. No caso de Edézio, ele ficou sem saída porque seu amigo Hamilton ao qual ele havia confidenciado ter visto as Abagge raptando o menino Evandro contou ao Diógenes que por sua vez deve ter obrigado ele a prestar depoimento do que havia visto. Não há nada de estranho nisso. A mesma coisa com o Jorge Banana, se eu estou pescando e vejo um saco cheio de restos mortais do que poderia ser um feto, meu barco viraria uma lancha de tão rápido que eu sairia de lá. E com peixe ou sem peixe no meu barco eu JAMAIS puxaria o saco pra dentro do barco. E é isso que talvez destrua a credibilidade das testemunhas, o MEDO. Ninguém quer admitir que tem medo, mas a grande maioria das pessoas tem, e por não querer admitir isso em juízo ou em depoimento acaba passando por mentiroso. Pois é muito fácil falar, “Ah, mas você viu que tinha mãos dentro do saco, cabelo e não pegou o saco?!”. Não, eu também não pegaria. Agora, se eu soubesse do que tinha acontecido (Coisa que Jorge Banana não sabia à época do ocorrido), e visto um saco com as coisas eu chamaria a policia sem dúvida alguma, porém se não soubesse, aquele saco de cal iria ficar lá pra sempre.
Finalmente chegamos às prisões dos dias 1,2 e 3 de Julho de 1992, onde os 7 acusados são presos. Aqui eu vou ser bem sucinto e explicito nas minhas opiniões. Eu acredito que todos tenham sofrido tortura sim, sem sombra de dúvidas. Porém pra confessar aquilo que de fato haviam cometido porque jamais confessariam de uma outra forma. Não defendo tortura e não acho que esse deveria ter sido o caminho a ser seguido. E acho que a maneira com a qual a PM conduziu as prisões e os interrogatórios foi o que estragou o caso. Se eles não tivessem torturado os réus a argumentação da promotoria teria sido muito mais forte e o único argumento da defesa seria o de que o corpo encontrado não era o de Evandro.
Agora as perguntas que ficam e talvez a chave de todo esse mistério é, se o corpo encontrado não é o de Evandro como afirma piamente até hoje o Delegado Luis Carlos de Oliveira, porque os acusados colocaram as roupas de Evandro no cadáver? O que eles tentaram fazer aqui? Encobrir uma morte com outra? Desovar o cadáver de Leandro Bossi que estava na geladeira que a Celina tirou da serraria como relatou Teresinha e por isso tinha marcas roxas e já estava em estado de putrefação como se fosse Evandro? O que vocês acham? Isso vai ficar no imaginário de cada um, pois nunca saberemos.
submitted by d3rr1c53xpl0r3r to ProjetoHumanos [link] [comments]


2019.04.27 15:26 Spookycliquebr Twenty One Pilots para COUP DE MAIN [traduzido]

COUP DE MAIN: Muito importante, vocês estão voltando para a Nova Zelândia em dezembro! Você está ansioso para voltar? TWENTY ONE PILOTS - JOSH DUN: Sim, absolutamente. Acho que sempre que não estamos na Nova Zelândia, sentimos falta da Nova Zelândia.
CDM: O que as pessoas podem esperar do Bandito World Tour?
JOSH: Bem, eu e o Tyler com certeza estaremos lá. Então isso é uma coisa, isso é uma certeza.
TYLER: com certeza.
JOSH: Definitivamente. Eu diria, algumas músicas antigas e algumas músicas novas, e queríamos colocar mais três ou quatro luzes no cofre de produção.
TYLER: E nós os pegamos.
JOSH: Nós temos o 'ok'.
TYLER: Nós temos os conversores para eles - o poder. Vai dar certo.
CDM: Estou muito feliz por você. Esse também é seu último show antes do Natal, então eu realmente estou esperando por um show com tema de Natal.
TYLER: Vamos mudar completamente o cenário para isso.
CDM: Tyler, você poderia trazer de volta sua barba do hiato e vestir-se de Papai Noel.
TYLER: Mmm, sim. Isso soa como um plano.
CDM: Você nomeou sua chita de estimação em "Pet Cheetah" depois de Jason Statham por causa dele dançando em uma cueca com estampa de chita em um videoclipe dos anos 90?
TYLER: Eu não fiz! Mas você aprende algo novo todos os dias.
CDM: Você precisa assistir o vídeo do The Shamen para "Coming" On. Ele estrela no fundo, acho que você realmente gosta disso.
TYLER: Uau, isso é um corte profundo. Tudo bem, vou procurar.
CDM: ‘Trench’ é um mundo tão incrivelmente planejado e planejado, tenho certeza de que você está realmente ansioso para convidar os fãs do mundo para ouvir as músicas que você tem trabalhado por tanto tempo. E seus fãs são tão inteligentes, quando vocês retornaram pela primeira vez através do site dmaorg.info, eles foram surpreendentes em descobrir pistas. Você está animado para ver como os fãs interpretam "Trench" e construir seus próprios significados pessoais para as músicas?
TYLER: Sim, quero dizer que um dos momentos mais emocionantes é quando o nosso álbum sai - é algo que realmente trabalhamos difícil, e ainda estamos bastante nervosos sobre isso. Não sabemos como isso vai funcionar ou se as pessoas vão gostar disso. Espero que eles façam. Uma das perguntas que recebemos é: 'Quais são as nossas músicas favoritas no álbum?' E ainda mais particularmente: "Qual é a sua música favorita para tocar ao vivo?" Eu sempre achei que é difícil responder a essa pergunta até que o álbum saia, até que os fãs consigam e injetem não apenas seu próprio significado, mas o envolvimento deles em cada música também pode mudar nosso significado para essa música. Eu não acho que eles já tenham percebido isso. Então, eu estou animado para o álbum ser lançado por vários motivos, mas um em particular, para ver em quais músicas eles gravitam, e coisas assim.
CDM: A música é um meio de arte tão interessante - coisas como livros / filmes / TV são uma conversa unidirecional, uma vez lançada ela não muda, mas a música tem a capacidade de mudar quando é levada em turnê, quase como uma parte dois para o álbum.
TYLER: Sim, isso faz sentido.
CDM: Em 'Leave The City', Tyler você canta: “No ano passado eu precisei mudar de ritmo, não pude acelerar o ritmo das mudanças, mas este ano, embora eu esteja longe de casa, em Trench eu não estou sozinho. ”Você sentiu essa sensação de não estar sozinho na noite de quarta-feira quando estava cara a cara com seus fãs pela primeira vez em pouco mais de um ano?
TYLER: Se você estivesse sentado na minha frente, você me veria começar a sorrir quando fizesse essa pergunta, então sim, absolutamente. Quero dizer, aquele primeiro show aqui em Londres, era um completo mistério sobre se isso faria sentido e se iria funcionar. E isso fez, fez sentido - eu não posso esperar para continuar a tocar essas músicas ao vivo.
CDM: Tyler, por favor, aproveitamos para apreciar a bateria de Josh em "The Hype" - é tão bom. Com que frequência você fica impressionado com o talento de Josh?
TYLER: Uhhh, a única vez que não admiro a bateria do Josh é quando estou comendo, porque estou focado nisso. Então, entre cada refeição é principalmente quando eu fico admirado com a bateria de Josh.
CDM: Então há apenas uma pequena lacuna na admiração?
TYLER: Sim, uma lacuna muito pequena.
CDM: A ponte em "The Hype" é enorme. O que inspirou a produção por trás disso?
TYLER: Eu acho que essa música em particular, eu queria voltar para-- Quando eu era um pouco mais jovem, talvez até na escola, apenas um pouco da produção daquela música me lembrou disso. Mas também, abordando liricamente quem eu era quando era um pouco mais jovem, e o que eu gostaria de ter ouvido. Essa música é particularmente falando sobre a diferença entre uma pressão interna e uma pressão externa. Muitas das coisas sobre as quais escrevo vêm da luta com uma pressão interna, mas há aquelas pressões externas do mundo ao nosso redor que podem ser abordadas também, e essa música trata particularmente daquelas de uma forma que ... Apenas um encorajamento para continuar, para deixar as coisas saírem das suas costas, que merecem ser postas de lado.
CDM: Eu adoro a frase: "Pode levar alguns amigos e uma camiseta mais quente / Mas você não fica com a pele grossa sem se queimar", em "The Hype". Quais outras ajudas você recomenda para se proteger de ficar preso na máquina do hype?
TYLER: Essa é uma boa pergunta. Mas cara, ouvir você dizer essas letras de volta, essas são algumas letras muito boas.
JOSH: Eu pessoalmente admiro as letras.
TYLER: Sim! Por que você não perguntou a Josh o quanto ele tem medo de mim? Vamos.
CDM: Essa é a minha última pergunta, só para você saber.
TYLER: Ok, vamos segurá-lo então. Mas eu não sei, eu tenho que pensar sobre isso, eu sinto que tenho que acompanhar [a questão] com algo super poético. Eu acho que a comunidade na qual um show ao vivo é ambientado, ou uma base de fãs, parece que [ajuda] - esse lugar é um bom lugar para estar, especialmente quando é seguro e aceito, o que eu acho que nossos fãs são incríveis em criar um espaço seguro e receptivo para as pessoas aproveitarem a arte que estamos fazendo. Estou muito orgulhosa deles e admiro-os dessa maneira.
CDM: "Eu criei este mundo / para sentir algum controle", você canta em "Bandito". Você sente um poder sobre o mundo que você criou, e os sentimentos e partes de si mesmo que vivem lá agora? Escrever o álbum deu a você o controle?
TYLER: Sim, eu acho. A letra por si só meio que parece um pouco arrogante ou confiante, mas, na verdade, dentro da música, é um momento em que, se alguma coisa, está admitindo que a maior parte do tempo você sente que não há controle. Eu acho que é algo especial dentro da criação de arte, e escrever músicas, é que você tem controle sobre isso - e isso, em certo sentido, me encheu de um senso de propósito, e tem sido muito útil para mim, e em um O caminho estava encorajando outras pessoas a fazer sua própria versão disso, porque eu encontrei muita força na construção de algo que é meu, que eu tenho controle de uma forma positiva.
CDM: Como prometido, a última pergunta é para você Josh. Quão frequente você fica admirando Tyler?
JOSH: Essa é uma ótima pergunta. Eu diria que muitas vezes sempre que estou comendo, fico impressionado com Tyler. Mas eu estou comendo mais do que não estou comendo, praticamente o tempo todo.
TYLER: Então toda vez que eu não estou comendo, você está comendo?
JOSH: Sim.
CDM: Vocês só têm uma tigela de comida comum, que vocês passam entre vocês? TYLER: É um cocho. Nosso novo álbum, "Trough".
submitted by Spookycliquebr to u/Spookycliquebr [link] [comments]


2018.09.04 23:02 DoubleBlackHeart Cia. Barbixas - Ken Do: O Caminho da Espada

Ken Do: O Caminho da Espada
Personagens:
Mestre
Aprendiz
Luís
Buda magro
Chefe
Xoxador
Apresentador
Assistente
Dois Coreanos (Coreano 1 e Coreano 2)
Fantasma do Mestre
Buda gordo
Cena 1
Salão de um templo da China. [Entra o Mestre]
Mestre: Eu vou decidir dar a você a espada.
[Entram o Aprendiz, Luís, e Buda magro]
[O Aprendiz se ajoelha e olha pro chão, Luís segura a espada e Buda senta na posição de lótus]
Mestre: O templo está falindo. [meio rindo] Olha o Buda que eu tenho aqui.
[O Aprendiz olha pra Buda e ri]
Aprendiz: O Buda emagreceu de tanta falta de comida, mestre.
Mestre: Sua missão com a espada é... Consiga um bom dinheiro. [pausa dramática] Venda-a.
Aprendiz: Mas mestre...
Mestre: Venda-a!
Aprendiz: Sem a espada, como defenderemos o templo?
Mestre: O templo já quase não existe, olha o Buda.
Luís: Senhor... [desembainha a espada, depois a coloca de novo e entrega-a ao Aprendiz. O Aprendiz se levanta.]
Mestre: Aliás, Luís, cê tá demitido, desculpa, cê era o último... Eu não tenho mais como pagar o pessoal daqui. Dê a espada pro moço... Se a gente contratar a espada, eu tenho o seu telefone... Bom, enfim, cê entendeu...
Luís: [hesita em entregar a espada] Senhor, espere... [desembainha a espada e se mata]
Mestre: [aliviado] Facilita a minha vida. Não tenho que pagar FGTS...
[Luís cai, levanta e vira um fantasma]
[começa musica calma]
Mestre: Lembre-se...
Luís: Rá, rá! [sai]
Mestre: Infelizmente...
[começa musica dramática]
Mestre: Não há escolha, venda a espada, não importa a quantia que virá
Não há escolha, venda a espada, assim o templo sobreviverá
Aprendiz: Sobrevive templo
Mestre: Sobrevive templo
Mas lembre-se, venda a espada, oh
Mestre e Aprendiz: Venda a espada, oh
Mestre: Ela vale muito, vale um centavo, vale toda nota que você arranjar
Aprendiz: A espada, a espada, a espada, a espada, oh
Mestre: [falando] Isso mesmo, a espada. Ainda bem que você entendeu.
[Saem todos]
Cena 2
Sala de currículos. [Entram o Chefe, o Xoxador e o Aprendiz]
Chefe: Mas quais são as suas experiências, o que você sabe fazer? Porque eu vi o seu currículo, mas não tá claro, tá falando só que você é espadachim e tem Word básico. Eu nem sei se isso...
Xoxador: [debochando] E nessa época!
Chefe: Porque Word básico eu entendo, mas espadachim eu não sei se, se...
Xoxador: Pra que serve!
Aprendiz: É mesmo necessária a pessoa que humilha o candidato ou não?
Xoxador: É o meu trabalho, você tem trabalho? Você não tem!
Chefe: Ele tem um dos melhores currículos! Ele é um xoxador universal.
Xoxador: Com mestrado em xoxar!
Aprendiz: Se me permite... [desembainha a espada]
Xoxador: Rá! Olha quem falou!
Aprendiz: Jogue um papel pra cima.
[O Chefe joga uma folha de papel de mímica para cima e o Aprendiz faz movimentos rápidos com a espada no ar e depois para e embainha-a. O Chefe faz movimentos de mão imitando um papel caindo e depois o abre.]
Chefe: Um pavão.
Xoxador: [surpreso] Oh, meu Deus!
Chefe: Ele faz origamis...
Xoxador: [volta a debochar] Ah, mas não dá pra comer!
Chefe: Não, não dá pra comer, mas nisso aqui eu vi um futuro... [começa musica alegre] Ninguém mais vai querer tecnologia! [O Xoxador começa a dançar por poucos segundos de costas para o público] Ninguém mais vai querer... Celulares caros! Todo mundo só tá de olho numa coisa!
Aprendiz: Não imagino!
Chefe: O futuro é esse! [cantando junto com o Aprendiz que fica meio embolado com a letra] O futuro é o origami, todo mundo quer um, um, um
O futuro é o origami pra você e para mim
[canta sozinho] Imagina todo mundo com essa tecnologia que é touch
Imagina todo mundo jogando isso para o [fica hesitante] push
Aprendiz: Todo mundo é origami
Chefe: (Todo mundo é origami)
Xoxador: Todo mundo não!
Chefe: Todo mundo é origami, imagina isso aqui sendo touch
[O Aprendiz e o Xoxador olham para o Chefe estranhamente]
[Saem todos]
Cena 3
Casa do Mestre. [Entram o Aprendiz e o Mestre]
Mestre: É cedo, o que faz acordado?
Aprendiz: Vou para o trabalho, chefe.
Mestre: Trabalho? Como está indo a venda da espada? Está conseguindo pretendentes pra a espada?
Aprendiz: [se vira] Eu não vou vender a espada, chefe.
Mestre: Ah, mas caralho... Quer dizer, como assim?
Aprendiz: [volta para o Mestre] E não é só isso, chefe. Estamos ganhando muito dinheiro por conta da espada. Os origamis que você me repreendia, porque eu gastava meu tempo fazendo origamis no ar, eles estão vendendo como água! E temo...
[Entram o Apresentador e a Assistente trazendo um origami em forma de celular]
Apresentador: Esse é o novo Origami 7! Ele vem com câmera frontal e câmera traseira! E com sistema operacional novo! É o Origami 7! Da “Origamis”!
[Saem o Apresentador e a Assistente]
Aprendiz: E temo que os coreanos já estejam atrás de nós, chefe!
Mestre: Os coreanos?
Aprendiz: Sim. A batalha contra eles nunca foi fácil, não é?
Mestre: Não...
[Entram dois Coreanos e ficam numa posição estranha. O Aprendiz segura a risada.]
Mestre: Eles querem nossos origamis... Pior, eles querem você!
[Os coreanos imitam a língua coreana]
Mestre: Além disso, os coreanos não sabem falar coreano!
Aprendiz: Sim. Pior que isso, chefe! Eles querem a tecnologia! Eles querem...
Mestre e Aprendiz: A espada!
[Os coreanos continuam conversando. Um deles pega o origami e o cheira, depois entrega ao outro. O outro também o cheira, depois joga o origami para cima e ele cai, fazendo os dois rirem como bobos. Um deles diz: Origami. Saem os dois com fumaça.]
Mestre: Quem diria, os nossos antepassados lutaram, e lá vamos nós, nos tempos atuais, lutar de novo com a Coréia.
Aprendiz: E o pior, chefe. Me disseram que os coreanos têm um origami que explode!
Mestre: Nós vamos entrar nessa batalha, pois a espada pede! Doa a kendo-er!
[começa musica]
Mestre: Que foi?
Mestre e Aprendiz: [os dois cantam com separação silábica] Doa a kendo-er
Doa a kendo-er
Doa a kendo-er
Mesmo se a gente morrer
Doa a kendo-er
Mestre: Mesmo se você morrer
E eu sobreviver
Fazer o quê
Aprendiz: O quê
[Entram pulando os dois Coreanos. Eles lutam, mas antes que o Mestre ataque, um deles começa a cantar coreano em outro ritmo. O Mestre pára para olhá-lo com vergonha, enquanto o Aprendiz e outro coreano lutam. Música para e interrompe a cantoria do coreano. Os três olham para ele. O coreano olha o músico. O Mestre e o Aprendiz se preparam para lutar.]
Coreano 1: [em coreanês] Ocidentais não conhecem nossa musica!
Mestre: Boa! [para o músico] Distraia ele!
[Os quatro lutam até um Coreano se cansar do Aprendiz. O Mestre acerta um deles. De repente os Coreanos atacam o Mestre.]
Aprendiz: NÃO, MESTRE!
[Os Coreanos não param até que o Mestre morra. Eles cortam a cabeça dele e ela sai rolando. Coreano 1 enfia a espada no coração do Mestre. O cadáver continua no palco.]
Coreano 1: OOOOH! [imita asas na cabeça] [tira a espada e a coloca na bainha]
Coreano 2: Isso é por ter acabado com o nosso karaokê!
Aprendiz: Mas... Mas do quê que cês tão achando que a Coréia é?
Coreano 2: [faz movimentos rápidos no ar] Que Coréia?
Aprendiz: Escuta aqui, eu acho que vocês não são coreanos de verdade, devem ser coreanos chineses, hã?
Coreano 1: OHHH! [Os dois tiram pedaços de Durex do canto dos olhos]
Aprendiz: OHHH! [Os dois apontam as espadas para ele] [O Aprendiz se ajoelha e se apóia na espada] Mestre, por tudo o que você me ensinou, pelas horas desperdiçadas, por todo o origami que ainda farei no mundo...
Coreano 1: Amém!
Aprendiz: [se levanta e segura a espada] Eu os derrotarei! [grita] [todos tiram as espadas das bainhas] [o músico começa a tocar, mas depois para.]
Coreano: [olhando para o músico e depois para os personagens] Não tem musica de novo! Não tem musica! Músico não gosta da gente! Não, não gosta! [o músico toca uma musica alegre] [Os Coreanos a principio hesitam, mas depois tiram as espadas e começam a dançar no ritmo da musica. Depois de uns minutos, o Aprendiz mata os dois Coreanos, um de cada vez, e caem de maneira engraçada. Depois o músico toca “Marcha Fúnebre” de maneira engraçada e rápida. Os dois morrem. Musica termina.] [Saem os Coreanos e o Mestre como fantasmas.]
Aprendiz: Isso foi ridículo! Mas eu consegui!
Cena 4
Sala de Trabalho. [Entram o Chefe e o Xoxador]
Aprendiz: E foi isso que aconteceu!
Chefe: É por isso que cê atrasou hoje? Sexta feira você chegou atrasado por causa disso?
Xoxador: Olha à hora!
Chefe: [rindo] Isso é hora de chegar? Isso é hora de chegar?[incrédulo] Você chega aqui às 11 horas da manhã, com uma desculpinha de “coreanos chineses”... [rindo]
Xoxador: Eu peguei transito, desci do táxi, vim caminhando e não me queixei! [para o Chefe] Falei pra você?
Chefe: Hoje é sexta feira, casual Friday, você tá todo vestido errado! Quer dizer, tem muita coisa errada!
Xoxador: [enquanto o Chefe fala] E tem sangue na vestimenta!
Aprendiz: Mas é o que eu tô tentando explicar! [pausa] Seu Steve...
[Entra o Fantasma do Mestre]
Chefe: Sou eu! O Steve Jobs dos Origamis!
Aprendiz: Eu tive problemas.
Fantasma: Meu discípulo!
Xoxador: E seu xoxador!
Fantasma: Você já conseguiu dinheiro suficiente.
Chefe: Eu tenho uma nova proposta pra você ficar milionário aqui dentro!
Xoxador: [debochando] Ai, proposta!
Fantasma: O templo... Não se esqueça do templo.
Chefe: É um trabalho interessantíssimo de escritório. Você vai trabalhar com Excel avançado, vai ser uma coisa incrível!
Aprendiz: Muito obrigado, seu Steve.
Chefe: Como assim? É um trabalho milionário!
Aprendiz: Eu já tenho o dinheiro necessário...
Chefe: Ninguém diz “não” para Steve Jobs dos Origamis!
Xoxador: Hello! Você tem que aceitar!
Aprendiz: Muito obrigado! [faz reverência aos dois]
Xoxador: Ele tá indo mesmo?
Aprendiz: Mas eu já tenho dinheiro suficiente para sustentar o meu templo! [começa musica] [olha dramaticamente para a platéia] [O Chefe e o Xoxador olham pra ele com admiração.]
Fantasma: É nóis! [tenta fazer um hi-five, mas a mão faz um movimento de vento e passa direto] Ah. Eu sou um fantasma. Boa! [sai]
[Entra Buda gordo. Foco de luz no Aprendiz]
Aprendiz: [cantando] Agora o templo não vai mais fechar,
Agora poderemos ele continuar
Sabedoria, conhecimento,
Tudo, tudo no templo
[luz no Buda gordo]
Buda gordo: [cantando em chinês-português] Eu voltei a engordar,
Agora tô alimentado,
Estou feliz e lotado
[Volta Fantasma]
Fantasma: O templo agora está aberto,
Não vender a espada foi o certo
O templo aberto vai permanecer, vai permanecer
Aprendiz: (O templo aberto vai)
Buda gordo: E eu, com diabetes, vou ficar
Fantasma: O templo aberto vai permanecer
Aprendiz: (Aberto vai)
Fantasma: Não importa quem morrer
[No final todos cantam juntos] Doa a kendo-er
[Apagam-se as luzes] [Saem todos]
submitted by DoubleBlackHeart to brasil [link] [comments]


2018.07.25 01:04 Llaguardia Cafezinho com Beatles

Cafezinho com Beatles e seu Sgt. Peppers Lonely Hearts Club Band
https://imgur.com/a/0VhHA0x
Numa manhã de domingo, em qualquer cidade do interior. encontram-se num banco de praça Dona Mariquinha (Mq) e Dona Maricota (Mc). No coreto, uma banda toca a todo vapor: Mc- Dona Mariquina, como vai? Veio escutar a banda? Mq- Pois é, Maricota! Diz que esse maestro novo, o Pimenta, é bão demais, né? Bonito!!!! Mc- É bom e um show. Apresentou todo mundo, falou que esperava que todo mundo gostasse. Educadíssimo. Mas depois anunciou um cantor, um mocinho aí. Um tal de Bili. Chegou todo tímido, pediu desculpa se desafinasse, quase ajoelhou no chão pedindo atenção... Mq- Ah. Eu sei quem é, sá! É o Bilinho do Seu Jacinto. Tadinho. Menino bão! Seu Jacinto exigia dele demais, por isso ficou assim. Mas tem um montão de amigos. Todo mundo gosta dele. MC- Ah. Então foi por isso que tinha uns meninos cantando junto, falando a letra pra ele quando ele esquecia? Mq Deve ser. É que ele andou um tempo meio doido, sabe? Tomou gardenal, tegretol... Diz que um dia saiu na rua falando em estar navegando, comendo o cèu que era de marmelada, chupando mexerica, umas doidura! Mas agora está cantando. Melhor, né? Mc- É! Melhor que o Paulito do Seu Jaime. Indês da escola já dava problema. Brigava com todo mundo. Casou com Florzinha da Matilde, mas batia nela todo dia. Não deixava ela nem sair na rua. Coitada! Mq- Uai? Falaram pra mim que ele tava melhorando. Tava mais calmo... Mc- Pior não tinha nem jeito, né? Mas pelo menos agora tá trabalhando pra prefeitura. Vi ele outro dia mesmo tapando os buracos que os trator fez na rua. Caiu o maior toró, mas ele ficou lá, trabalhando, com o olhar meio longe, longe... Já viram ele até pintando o quarto do pai dele. Viu? As pessoas mudam. Mq- Maricota. Nada me tira da cabeça que ele ficou assim por que, na verdade, gostava da Geralda, filha do Seu Quito. Depois do que aconteceu... Mc- O que aconteceu com a filha do Seu Quito???? Mq- Não tá sabendo??? Menina! Diz que ela um dia acordou cedo, pegou as coisinha dela e sumiu no mundo. Mc- Mentira!!!!! Mq- Verdade, sá! E Seu Quito comprava tudo pra ela, dava de tudo. Mc- Ah! Esta juventude ingrata! Mq- Disse ela pra minha filha uma vez que se sentia meio sozinha. Tadinho do Seu Quito. Tá gastando um dinheirão pra procurar a filha. Diz que até vendeu o armazém. Tá pobre, passando necessidade. Mc- Mesmo? Mq- Uai? Não sabia? Sabe o circo que tá no campinho? Mc- Sei! Mc- Pois é. Hoje a bilheteria vai toda pra ajudar seu Quito. Vai ter cavalo dançando valsa, Trampolim... Mq- O faquir vai estar? Mc- Aquele que fica falando uns trem complicado, de espaço entre as pessoas, de amor que ganha o mundo com aquela musiquinha que faz uuuunhheeeeeiiiiimmmm...ele? Cê gosta daquilo???? Mq- Eu até que não. Mas acho que meu marido gosta! E eu acompanho né? Ontem foi aniversário dele! Mc- Olha, gente!!! Dá meus parabéns. Quantos anos? Mq- 64 anos. Desde quando a gente casou ele me perguntava se o casamento iria durar assim. Perguntava se eu ia gostar dele quando ele ficasse careca, sem dente. E tamos aí. Afinal, eu também fiquei velha, né? Mc- Mas Você até que está conservada para quem tem 62. Dou no máximo uns 57! Mq- Não como você, né? Estou sabendo que depois que você enviuvou, tem gente gostando docê! Mc- Ah! É Seu Brito (SB). Ele até que é bão, mas meio entrão. Ê acredita que ele foi no cartório só pra descobrir meu nome de batismo? Mq- E qual é? Nem eu sei. Mc. Maria Rita de Santo Antão. E ele agora só me chama de Ritinha. É “Ritinha querida” pra lá, “Ritinha minha flor” pra cá, “Nada vai nos separar” pra acolá. Sei não, tenho medo! Mas pelos menos na frente dos outros ele respeita. Mq- Ué! Falando no capeta, olha ele chegando!!! SB- Bom dia! Bom dia! Bom Dia! Como vão? Como vai seu filho, Dona Maricota? E Seu marido? Como vai, Mariquinha? Mc- Vamos bem Seu Brito. E o Senhor? SB- Ah. Bem! Não tinha nada para fazer em casa, aí vim pra praça. Mc- É! Mas, olha que pena! O Maestro Pimenta já está despedindo. Acabou a apresentação. Tá agradecendo. SB- Pena. Vou continuar lendo o jornal em casa então. Hoje acordei, saí da cama e fui ler, mas tanta notícia triste que tentei ver um filme na TV. Era um filme de guerra da Inglaterra. Gostei só médio. Mc e Mq- Huuuummmm! (entediadas). ÓI!!!!!! ESPIA LÀ!!!!!! NA LINHA DO TREM!!! A MÁQUINA TÀ CORRENDO MEIO DEMAIIISSS!!! SB- Jesus. E não é os moços levando o piano da casa paroquial atravessando a linha? Mc- Solta esse piano aêêêêê! Todos na praça- AAAAAAAAAHHHHHHHH!!!!!!!!!! PAAAAAAAAMMMMMMMM. Ouviu-se uma grande som de piano. Os carregadores escaparam, mas o piano foi por brejo, deixando um acorde final, gigantesco! Fim
submitted by Llaguardia to escrita [link] [comments]


2018.02.04 01:00 lucius1309 PROGRESSO

O jeito que ela tinha de me encantar era me tirando do sério. Às vezes eu lembro dela e saio um pouco de mim, e lembro de tudo o que passamos juntos, das brigas, das transas sem fim, das bebedeiras... Noites em que queríamos viver, mas talvez nos faltasse a habilidade para isso... Aquela vontade insana de realmente APROVEITAR a vida, que acabava nos tornando tão apáticos ao ponto de não aproveitarmos nada. Ela era uma grande mulher, e volta e meia quando conversamos eu vejo que se tornou maior ainda.
Mas hoje ela é parte do passado. Já não sinto mais a mesma coisa e ela também. Ela mudou pra caralho. E eu? Eu nem se fala, eu mudei demais de quatro anos pra cá.
Eu era muito mais imbecil e imaturo. Achava que poderia abocanhar o mundo como uma criança abocanha uma casquinha de sorvete. Mas hoje eu sei que o mundo é coisa demais, e que pra ser a pessoa mais feliz do mundo eu preciso estar em paz com meu próprio mundo. Que muitas vezes o meu braço é curto pra tentar buscar aquilo que não posso e nem devo alcançar. Que as coisas têm sempre uma hora certa pra acontecer, e que se ainda não aconteceu, é porque não chegou a hora de acontecer. Que sempre preciso das pessoas pra estar ao meu lado num momento complicado. Algumas pessoas pra simplesmente me dizer que as coisas vão se resolver, e que eu sou capaz de passar por mais um dia difícil sem querer jogar tudo pro alto. Essas são só algumas questões que na época eu não tinha consciência, mas hoje eu tenho.
Hoje eu tenho.
Nossas conversas são recheadas de boas risadas e um sentimento de nostalgia gostoso. Não existe mais raiva, não existe mais o velho desejo de posse que havia antes. Ela tá ótima lá, eu tô ótimo aqui e ninguém precisa alterar as coisas entre nós. Que se mantenham como estão. Hoje ela está metida num negócio sério com um cara e gosta muito do cara e fico feliz que ela esteja bem. Me perguntou se eu pretendo algum dia ficar de boa como ela está e eu disse que pretendo, só que me falta a habilidade, talvez, pra lidar com os relacionamentos. Me falta a capacidade de, talvez, interpretar a mente das pessoas de uma forma mais humana, principalmente das mulheres. Talvez me falte ainda conhecer aquela que vai me conquistar de uma forma plena, em todos os aspectos possíveis. Aquela acima da média, diferente de todas as outras que parecem tão iguais. E talvez aconteça. Mas como ela mesmo me disse, agora talvez não seja a hora. Minha cabeça tá focada demais em outras paradas, e não sinto falta ou a necessidade. Gosto das coisas como estão, gosto de verdade, e se for pra mudar, eu mudo. Acho que me acomodar é algo terrível, mas talvez eu necessite estar num processo de aprendizado, de auto descoberta, e pra isso eu preciso estar sozinho.
Não tenho medo da solidão. Acho que meu maior medo seria voltar para um buraco fundo, um buraco fundo em que já estive um dia. Acho que isso é mil vezes pior do que a solidão. A solidão a gente acaba tirando de letra.
Outro dia eu saí de casa meio que sem rumo, e geralmente esses são os dias em que me sinto mais feliz, em que posso ficar sozinho e ser eu mesmo, em que posso por um momento esquecer dos outros e pensar em mim, em que posso me sentir a vontade com meu próprio eu, e esses dias pra mim são insubstítuíveis. Assim como a escrita. E hoje é sábado à noite e eu tô aqui, depois de um dia fodido de trabalho, batendo nessas teclas, as teclas da velha máquina, como fiz em tantos sábados à noite em companhia de Sinatra e da garrafa. E hoje só tem o Sinatra. Mas não preciso da garrafa. Só da escrita e das minhas caminhadas sem rumo. E enquanto eu tiver essas duas coisas, eu vou conseguir suportar qualquer problema que aparecer pela frente. E pensar nisso é que me deixa em paz. Nada além de pensar nisso.
submitted by lucius1309 to brasil [link] [comments]


2017.08.13 04:49 Harunk [Desabafo] É a primeira vez que uma menina realmente demonstra interesse sexual em mim e eu sou tão pé-rapado que nem ao menos tenho um lugar aonde possamos fazer amor.

Falaí, Reddit.
Eu sou um cara relativamente novo, tenho vinte anos de idade, cresci em casa conservadora e ainda moro com meus pais, estou estudando Letras no momento e a minha grana está terrivelmente curta. Conheci uma menina esses tempos atrás e rolou uma química instantânea, tanto que no outro dia, já estávamos nos beijando no parque local. O tempo passou e ambos estávamos cada vez mais excitados um com o outro, ao ponto em que eu estava considerando coisas que antes me deixavam desconfortável.
O que acontece é o seguinte, Reddit, essa pessoa maravilhosa e gostosa que entrou em minha vida é trans. Minha família não aceitaria de forma alguma, e se ela imaginasse que os chupões que estão em meu pescoço foram feitos por uma menina trans, eles provavelmente me transformariam em um morador de rua. Essa menina realmente queria algo comigo e ela sendo uma pessoa como a que penso que seja, não seria do tipo de ir em motel, de fato, eu acho isso vulgar e sujo pra caralho, é como se eu tivesse tratando a pessoa que gosto como uma prostituta barata que eu sinto vergonha de ter contato. Então, todo esse tesão contido de duas semanas de interação teve de ser jogado fora, ou pelo menos, deixado para mais tarde - Eu não sei se é uma questão de orgulho, ou somente por conta de meu estado emocional, mas nem ao menos consegui me masturbar hoje, eu me senti absolutamente patético ao olhar os nudes dela e pensar que eu poderia sentir aquela carne na minha, mas que não pude pois eu sou pobre demais para isso. Agora estamos criando distância e eu não tenho certeza do que estamos sentindo, mas eu sei que foi obviamente broxante e eu falei isso para ela, ela tentou dizer que não se importava com isso, o que somente me fez sentir pior, pois eu sou um idiota orgulhoso e detesto que sintam piedade de mim.
O fato é esse, Reddit, eu sou um pé-rapado do caralho que nem ao menos tem um lugar onde possa fazer amor com a pessoa que gosta. Eu me sinto absolutamente patético e solitário no momento.
[EDIT] : Eu agradeço as sugestões, mas eu LITERALMENTE não tenho dinheiro, sou do tipo de cara que vai de Havaianas e bermudas pro serviço.
submitted by Harunk to brasil [link] [comments]


Charlie Brown Jr - Tudo que ela gosta de escutar - YouTube Dominó Ela Nao Gosta De Mim - YouTube David Fonseca - Ela Gosta De Mim Assim - YouTube ACHO QUE ELA GOSTA DE MIM  Undertale (Parte 7) - YouTube ACHO QUE ELA GOSTA DE MIM... - YouTube Mc Igu - Nicole Bahls (part.DEREK e Klyn) Letra Mc Igu - Nicole Bahls (Part. Derek & Klyn) + Letra Que pena (Ela já não gosta mais de mim) - YouTube Dominó - Ela não gosta de mim - YouTube

Eu Acho Que Sim - Amado Batista - Cifra Club

  1. Charlie Brown Jr - Tudo que ela gosta de escutar - YouTube
  2. Dominó Ela Nao Gosta De Mim - YouTube
  3. David Fonseca - Ela Gosta De Mim Assim - YouTube
  4. ACHO QUE ELA GOSTA DE MIM Undertale (Parte 7) - YouTube
  5. ACHO QUE ELA GOSTA DE MIM... - YouTube
  6. Mc Igu - Nicole Bahls (part.DEREK e Klyn) Letra
  7. Mc Igu - Nicole Bahls (Part. Derek & Klyn) + Letra
  8. Que pena (Ela já não gosta mais de mim) - YouTube
  9. Dominó - Ela não gosta de mim - YouTube

Próximo vídeo https://youtu.be/oOBLqNBUKjg Faça parte da Turma Gamer \o/ http://full.sc/1djLGZb Todos os episódios https://goo.gl/ARAK9z LubaFest: ht... A música 'Ela não gosta de mim' também é de 1985 e está no primeiro LP do Dominó! Formação: Marcos, Marcelo, Nil e Afonso [email protected] www.facebook.co... Jorge Ben Jor - Acústico MTV Álbum:Transpiração Contínua Prolongada. Siga: @Benhurm_ [Letra] Essa é uma história de amargar Conheci uma garota meu irmão vou lhe falar Tudo que ela quer, ... Ela já sabe que 'tamo no pique Ela só gosta de mim e do meu time Ela quer olhar minha tatuagem (é o G!) Essa bitch tá no laudo (laudo) Acho que ela quer vrau (quer vrau!) Bloco de cem na minha ... Patreon https://www.patreon.com/lubatv Inscreva-se aqui http://full.sc/1djLGZb Todos os episódios dessa série https://goo.gl/eMXTVf Jogo http... Enjoy the videos and music you love, upload original content, and share it all with friends, family, and the world on YouTube. Acho que ela quer vrau (Quer vrau!) Bloco de cem na minha calça (Flex!) ... Ela só gosta de mim e do meu time Ela quer olhar minha tatuagem (É o G!) ... cê sabe que eu nunca fui pego O que eu ... “Ela Gosta de Mim” available everywhere now: https://UniversalMusicPortugal.lnk.to/elagostademimassimYD Follow David Fonseca: https://www.facebook.com/davidf...